Eu amo você. Você sabe o que isso significa?

(Esse texto é pra todo mundo que diz que eu nunca escrevo textos fofos por aqui. Rs.
Acho que esse passa, né? Rs.)

eu-amo-voce-significado

Eu amo você.
Você sabe o que isso significa?

 

Eu sei que você está acostumado com outra visão de amor. Eu sei que você ouviu isso de uma forma automática a vida inteira e, muitas vezes, não sentiu… Não sentiu esse amor. Não sentiu que era amado. Eu imagino que, por muito tempo, tenham sido palavras que não faziam sentido algum.

Sabe, eu me sentia assim também. Eu cresci questionando o amor. Porque o tipo de amor que eu tinha nunca foi o amor que eu acreditava. Não fazia sentido.

Acho que poucas vezes eu me senti amada de fato. Na maioria das vezes eu sentia que esse amor era da boca pra fora. Amavam em mim o que eu fazia por eles. Amavam o lado bom. Quando tava tudo bem. Só que a gente não tá sempre bem.

É como eu disse antes:

 

“Difícil é amar quando falta tempo pra dormir, na segunda-feira de manhã, na correria do dia a dia, no mau humor do cansaço, no chuveiro que continua dando choque, com lixo pra tirar e banheiro pra lavar.”

 

Acho que amar o outro, quando a gente mal consegue amar a gente, quando não tá tudo bem, não tá tudo fácil… Bem, vou me limitar a dizer que isso é outro nível de amor.

Mas eu cresci, e entendi que o amor existe. Eu entendi que o amor é algo tão grande, tão bonito e tão sério, que não deve ser dito no piloto automático, junto com um “boa noite” ou “muito obrigado”. Um “eu te amo” deve ser raciocinado. Ele merece isso!

 

O amor merece ser pronunciado com todas as letras, em alto e bom tom, e em plena convicção do efeito que ele pode causar (como um tufão ou um botão que paralise o tempo).

 

A primeira vez que eu disse que te amava, ele saiu meio quadrado, me arrependi um pouco. Tive receio que pudesse ter te assustado. E eu acho que assustei.

Mas eu queria que você soubesse. Eu queria que você soubesse que eu não estava ali por acaso, que eu não estava ali a toa. Que não era o álcool e nem a minha loucura encenada.

Eu queria que você soubesse que eu estava ali porque eu via algo de especial em você, porque eu sentia algo de especial em nós, e porque eu queria te dar algo de especial de mim.

Tinha um pouco de medo no meu “eu te amo”. Mas ele saiu mesmo assim. Baixinho, sussurrado, no meio da loucura de sentimentos confusos e da falta de tato. Quase como uma sensação despregada do fato.

Hoje não. Hoje eu digo um “eu te amo” seguro. Porque eu amo o homem que você é, com tudo o que você viveu, com tudo o que você sente de frágil, e com a maturidade de buscar sempre transformação. Ser melhor… para você e para os outros.

 

E eu te amo porque eu quero o seu bem. Ainda que ele não seja ao meu lado (embora eu queira muito que seja).

 

Eu te amo porque o amor não é um contrato, nem tampouco uma promessa. Ele é uma verdade. A verdade do querer bem. Do querer fazer bem. De querer estar aqui pra você, com amor, respeito, e sem julgamentos.

O que eu quero dizer é que eu te amar significa tudo e nada ao mesmo tempo. O meu amor é agora, de forma honesta e despretensiosa. Pautado em tudo que admiro em você e em tudo que eu quero te proporcionar de bom. Mas ele também é livre. Sem a pretensão de acontecer ou de ser correspondido. Sem a menor intenção de ser perfeito ou de se tornar romântico.

 

Ele apenas é amor. Ele apenas continua sendo. Pacientemente, sem qualquer outro lugar para ir (pelo menos por enquanto).

 

E dito isso, eu te amo porque eu não consigo não te amar. Mesmo quando eu tento muito. Mesmo quando eu penso que a minha vida seria melhor sem você. Você é uma parte de mim que vai ficar para sempre, ainda que você não fique,

Mas se quiser, pode ficar, que eu nem ligo. Pode me amar, que eu aceito. Pode vir, que eu abro a porta. Pode deitar, que eu te cubro. Pode cozinhar, que eu como. Pode reclamar, que eu entendo. Pode questionar, que eu repenso. Pode chorar, que eu te dou colo. Pode ir, que eu te espero. Pode ficar, que eu volto. Pode ser meu, que eu sou sua.


Ps: Me deixa te amar? 😊 ♡

“Vem cá
Deixa eu te mostrar
Que eu guardo mil canções só pra te dar
Que eu faço da minha casa
A tua casa sem nem pensar
Vem cá
Deixa eu te mostrar
Que todo o meu amor é teu
Todo o meu amor é teu
Vem cá

Vem cá
Deixa eu te enrolar no meu abraço
E nunca mais soltar
E nunca mais soltar

Anúncios

Sobre brincos repetidos e amores mal estruturados

Sobre brincos repetidos e amores mal estruturados

 

Não, eu não troquei meus brincos. E daí? Na verdade, eu confesso, eu raramente troco os brincos, porque tenho preguiça. São tantos brincos… tantas coisas a trocar…

Quando acho brincos que me caibam, eu fico.

 

Eu sou assim. Fiel a tudo o que sinto e a tudo que me cabe. E esses brincos… eles traduzem a minha personalidade.

 

Sabe, eles brilham. Sério! Eles são pedrinhas escuras muito cintilantes. De longe, parecem apenas uma bolinha preta. Mas a verdade é que eles são bolinhas azuis cintilantes. E eles me escolheram.

Eu sempre soube que eles pareciam pretos, como todos os outros que tenho. Mas eu sei que eles brilham. E eles brilham pra mim.

Sabe, eu também não troco de bolsas, pra te falar a verdade. São tantas coisas… Minha bolsa traz tudo que preciso. Remédios para minhas dores da vida. O batom, pra fingir que eu tô plena. Dinheiro para os bons drinks. E o resto é bobagem.

Mas trocar de bolsa dá trabalho. E eu prefiro guardar energia pra esses meus sentimentos pesados e mal estruturados.

E por falar em trocar, eu não troco de amores tão fácil. Quando eu encontro um amor que me cabe, eu me agarro a ele e fico. E se eu não encontro, eu fico sem mesmo. Porque se eu não puder me comprometer com algo… eu nem boto os brincos na orelha. Eu nem boto a bolsa nos ombros. Eu nem saio de casa, e eu nem baixo a guarda e enfrento tudo o que me dói e me bota medo.

 

Dizem que quando uma mulher muda o cabelo, ela está mudando de vida. Talvez eu seja assim com os brincos. E eles são os mesmos de quando te conheci.

 

EU sou a mesma desde que te conheci… Sonhando que um dia os nossos caminhos se cruzem por aí. Pensando em você ao invés de pensar em brincos. Me vestindo do seu olhar. Te guardando em mim.

E olha que você nem me cabe tão bem assim. Mas talvez seja como os brincos quase pretos, só brilha pra mim. Talvez, se chegar de pertinho, a gente vê que tem tudo a ver. E talvez você me escolha também, como os brincos que eu não tiro nunca. Como essa minha mania de me guardar em você. Como os remédios que me curam da vida. Como o batom que me deixa bonita. Como os bons drinks que divertem meus dias.

E o resto… O resto é bobagem.


Ps: Me deixa te vestir e não trocar mais? 😚

 

“Don’t make me sad, don’t make me cry
Sometimes love is not enough and the road gets tough, I don’t know why
Keep making me laugh
Let’s go get high
The road is long, we carry on, try to have fun in the meantime

Come and take a walk on the wild side
Let me kiss you hard in the pouring rain
You like your girls insane”

 

Talvez eu esteja louca… (ou eu apenas sonhe com um amor que não existe)

Talvez eu esteja louca…
(ou eu apenas sonhe com um amor que não existe)

 

Talvez eu esteja louca. Talvez eu tenha inventado um amor que não exista. Talvez eu tenha inventado você pra mim.

Assim… com esse seu sorriso que me faz sorrir junto. Com seu jeitinho de passar a mão no cabelo. Com essa sua mania de me olhar nos olhos que me deixa completamente sem jeito.

 

Acho que eu inventei tudo o que você me diz e faz meu coração pular. Porque você tem as palavras certas pra me desestabilizar.

 

Cada momento “eu e você”… É como sonhos que eu vivi ao vivo. Cada abraço, cada toque, cada cheiro e cada desejo de te ter comigo.

Talvez eu tenha inventado que você não me deixa ir embora e que, quando eu me afasto, você me busca de volta. Talvez eu nem nunca tenha ido. Ou você nunca tenha ficado.

Talvez eu esteja louca. Porque você sempre me tirou a razão. Com você eu só fui paixão. E paixão é tudo o que eu mais gosto nessa vida. E parece que ela vem com seu nome e esse seu sorriso embriagado que me deixa zonza.

Eu estou louca. Eu só posso estar louca. Porque eu fico louca de vontade de te botar no colo e te cuidar. Eu fico louca pra te fazer feliz como você nunca foi na vida. Louca pra te fazer gostar da minha loucura. E pra te fazer louco junto.

 

É que eu acho que “a sua loucura parece um pouco com a minha”. E de uma forma louca a gente se faz bem.

 

Mas eu posso estar mesmo louca. Eu posso ter inventado você pra mim. Como mentiras sinceras em que eu quero acreditar. Como um sonho de princesa onde o amor que eu imagino existe e é seu.

Eu acho que eu estou louca, porque você nunca me pertenceu. E então, o que é que aconteceu? O que é que foi esse furacão que mudou toda a minha vida? O que é toda essa energia que me leva pra você e me tira de mim?

É loucura, tenho certeza! Porque amor não pode ser. Eu me apaixonei pelo que eu inventei de você.


Ps: Should I wait for u?

“But there’s something in your smile
That makes me want to try
And it’s warmer in the night
With someone to lay by

So take me into your bed
Lay down your pretty head
Hate me after I am gone
Cause I won’t be here for very long

But I’m here now”

Sobre as coisas boas que você me deu

Sobre as coisas boas que você me deu

 

Você pensa demais sobre tudo o que você me causou. Sobre as marcas que ficaram por ter te amado quando você mal acreditava em amor. Você se culpa por toda a dor e sofrimento que acha que me fez passar. E não é que eu não tenha sofrido… Mas acho que você não sabe toda a história.

Então, hoje eu resolvi contar sobre as coisas bonitas. Sobre tudo de bom… E baby, tudo teve o seu lado bom.

Pra começar, você me fez te olhar. E quando eu te vi a primeira vez, escondida, pelo cantinho da janela, o seu sorriso prendeu meu olhar. Um sorriso gostoso, mas que tinha algo de descompassado. Eu não sei se você sorria e desviava o olhar para outro lado (você faz isso, às vezes), mas você me instigava. O meu não-saber sobre você me desafiava, me deixava curiosa. E pode parecer besteira, mas isso é uma das coisas mais raras do mundo pra mim.

Sabe, eu sempre olhei demais ao redor. Eu sempre prestei muita atenção. Eu observava, e logo mudava de observação. É que a vida tava meio sem mistério, e eu tava meio de saco cheio das coisas normais. Eu não queria mais correr riscos por nada que fosse ordinário. Eu queria o impossível.

 

Eu sei, eu sei… Eu idealizo coisas demais e talvez eu procure algo que não exista. Mas eu já sofri tanto, por tão pouco… Hoje eu quero sentir que vale a pena sofrer. E eu sinto que valeu por você.

 

Você abriu as portas da sua vida pra mim (ou talvez eu tenha sacudido as janelas, e metido o pé na porta até ela cair). Você deu primeiros passos nessa tentativa de estabelecer contato. E isso era uma coisa que geralmente eu fazia sozinha.

Você marte, eu, mercúrio. Você fogo, eu, ar. Nós nunca falamos a mesma língua. Mas algo em nossos passados danificados fez a gente se encontrar. E se entender, de um jeito meio torto, mas que fazia sentido pra mim, e fazia sentido pra você.

E nessa brincadeira de falar sobre a vida, eu te conheci por debaixo do rostinho bonito (risos). Você me conheceu por trás da frieza ensaiada. E nós nos tornamos diferentes do resto do mundo. Você me cativou. E eu te cativei.

Você sempre ouviu as besteiras que eu digo. E eu não me lembro a última vez que eu me senti ouvida, de verdade.

E eu quis te contar tudo o que existe em mim. O que aconteceu de bom. O que me irritou o dia. Os meus sonhos malucos e as minhas visões sobre o mundo. Eu quis ouvir tudo o que existe em você. E te amenizar a dor. E te divertir a vida.

 

Com você eu percebi que era capaz de me apaixonar de novo. À primeira vista. E me reapaixonar sempre que estamos juntos. Porque te fazer sorrir me faz sorrir.

 

E você impulsionou em mim uma das coisas mais fodas que eu levo comigo hoje: que eu preciso me entender, me cuidar, eu preciso aceitar meu passado e fazer as pazes com ele pra seguir em frente.

Você me ensinou que vai sempre doer. Mas que fugir nunca foi uma saída. A gente nunca fugiu de fato. E embora eu tenha repetido isso diversas vezes aos meus amigos malucos que sempre ouviram meus conselhos, teoricamente sábios… Eu sempre tentei fugir.

E eu tentei fugir tanto… de uma forma tão louca e exagerada… e eu precisava parar. E você foi fundamental pra me fazer enxergar.

Se hoje eu sou minimamente estável, isso tem um pouco de você. Um pouco do que você me inspirou. Um pouco do que você me provocou. (Obrigada por ter me falado tanto sobre isso)

 

Você foi o meu contato intenso, o meu tratamento de choque com o meu passado. Eu me apaixonei pelas minhas dores mal resolvidas.

 

Mas embora isso pareça pesado e ruim, você também trouxe o lado bom. Você trouxe a redenção. Você me deu uma coisa pela qual eu sempre sofri, sempre desejei e nunca encontrei: admiração.

E você me deu esse presente de uma forma tão natural e despretensiosa, que me lembra de mim mesma… Tentando dizer pras pessoas o quanto elas são especiais pelo que são, com suas qualidades e supostos “defeitos”. Tentando esconder do mundo o quanto me sinto pequena, o quanto eu queria ser melhor.

 

Você me faz sentir que eu sou melhor. E até hoje eu só tive o contrário.

 

Eu sofri sim. E às vezes eu ainda sofro. Eu perguntei mil vezes “por que”, “pra que”. Mas se mil vezes eu tivesse que decidir, eu ainda queria que você tivesse estado aqui. Com todos os nossos desencontros e descompassos. Com toda a dor e tudo o que eu te fiz sentir. Com o que eu te dei de bom de mim. Com o que você me deu de bom de você.

Você mudou o meu mundo. E pra alguém como eu, isso é sempre algo muito bom.


Ps.: Thanks… and miss u.

 

“The sun will stop shining soon
And you’ll be dark in my life
Yeah you’ll be gone, it’s as simple as a change of heart
But I’m not gonna think about the future

A love like this won’t last forever
I know that a love like this won’t last forever
But I, I don’t really mind, I don’t really mind at all”

http://www.youtube.com/watch?v=Hv9rf0yfDys

 

Mas hoje…

🖤

Eu acho que você é um cara massa (além de lindo).
E eu acho que a gente juntinho vai bem.

Você me entende, mesmo sem entender.
Eu te entendo, mesmo que você nao faça o menor sentido.

E às vezes parece tudo tão certo, ainda que não seja.

Mas hoje….
Hoje eu acho que você me sacaneia de uma forma que é foda, baby.
Hoje eu me acho idiota, porque eu ainda não dei as costas e segui.
Sem olhar pra trás.
(Porque você sempre está lá)


Ps: Wait for me? 😕

“Eu posso ver o que tem dentro de você
E te dizer o que existe em mim
E te amar de um jeito infinito

Mas nada disso vai fazer você me olhar
Mas nada disso vai fazer você se apaixonar por mim
Se o que eu tenho e o que eu sou não valem mais
Se do meu jeito não consegui te alcançar
Agora é aceitar, e me silenciar
E entender que eu não sou pra você”

Eu sinto a sua falta

Eu sinto a sua falta

Eu sinto sua falta quando deito em minha cama e você não está. E eu imagino como você foi se deitar. Se você pensou em mim também. Ou se você está feliz e nada te falta. Se eu sou apenas um fragmento bonito, como num livro… A beleza dos amores que não se realizam.

Eu sinto falta do seu braço dando a volta em minha cintura, e de me deitar no seu abraço. Ainda que eu nem saiba que gosto tem esse conforto. Sonhos misturados com lembranças e desejos, que eu nem sei o que já aconteceu, ou o que eu inventei de nós dois. Pra sentir você, pra sentir amor.

Eu sinto falta do seu olhar a me encarar, me despindo a alma e me convidando, mesmo sem convidar. Um olhar que me puxa, que me suga, que me desmonta e me tira de mim. E eu faço um esforço tão grande pra resistir, pra não ir, pra não sair do lugar, não me movimentar, não me perder, não me prender a você.

Eu não sei se é força ou se é a falta dela, que me deixa imóvel, como se o mundo estivesse parado e nada existisse ao redor.

Eu sinto falta do seu lábio no meu… Ainda que eu não me lembre… E eu não consigo me lembrar. Como se minha mente quisesse me privar de sentir saudade de beijos que eu não posso beijar.

Eu sinto sua falta quando você se vai. E eu sinto que o mundo acabou ali. Não precisa mais. Não tem graça mais. Se você não está. (E eu não estou.)

Eu sinto a sua falta… quando eu fecho os olhos e eu sinto você… Presente em meus pensamentos. E quando eu abro os olhos… eu sinto a sua falta também.

Eu sinto a sua falta quando eu te vejo e quando você não está.

Eu sinto sua falta quando eu vou embora e até quando eu tento não te amar.

Em cada pedacinho do meu corpo. Em cada palavra que já li ou escrevi de você. Em cada vez que eu penso em me afastar. Eu sinto a sua falta antes mesmo de você me faltar.

Eu vou sentir a sua falta. E vai doer. Mas vai passar.


Ps: I can’t stop thinking about you too.

 

“I’ve been sleeping later
I’ve been breathing stronger
I’ve been digging deeper but the memories won’t stop

I can’t stop thinking ‘bout you

(And I want u all)”

Carta para o amor

Carta para o amor

 

Hello, amor!

Me disseram que você não existe. Mas eu sinto você. Eu sinto você tão vivo em mim que eu só posso acreditar que você existe. E é real. Eu sei.

Tem gente que não acredita em você. Mas eu entendo. As pessoas têm sido tão possessivas e controladoras. Elas têm exigido tanto que você seja perfeito. E ninguém tem mais paciência pra nada. Ninguém respeita ninguém.

 

Ninguém te entende, amor. Mas eu entendo. Eu juro. Mesmo que eu às vezes não compreenda muito bem. Eu te entendo e te aceito como você é. E eu te amo.

 

Tá tudo bem, amor. Eu não quero que você seja perfeito (e eu também não sou, espero que você não se importe) . Eu sei que eu vou chorar algumas vezes, e tá tudo bem. Eu vou tentar me lembrar do que me faz te amar.

E eu vou te magoar algumas vezes também, me desculpe! Às vezes a vida fica confusa e a gente faz umas merdas.

Mas eu prometo tentar te magoar o mínimo possível. Eu prometo lutar por nós. Eu prometo começar tudo de novo quantas vezes for preciso. E fazer piadas bobas pra te fazer rir. E te encher de carinho. Tudo pra gente ficar bem. Tudo pra melhorar.

O que eu quero te dizer, amor, é que eu sei que a gente vai ter um montão de problemas. Eu sei que provavelmente a gente vai se odiar algumas vezes. Mas eu acredito que a gente vai sempre encontrar o caminho de volta.

As pessoas têm me dito que não é bem assim, amor. Elas dizem que eu idealizo um amor que não existe. Mas eu acho que você está aí, em algum lugar. Pensando se eu existo também. Querendo esse mesmo tipo de amor.

E se eu me distrair por um segundo… se eu tiver dúvidas… eu posso perder isso. Eu posso não ver você chegar.

As pessoas se ocupam com amores rasos pra preencher a solidão. Aceitam o amor que vem. Aceitam quando se vai. O amor se tornou descartável.

Eu não. Eu acho que você está aí, em algum lugar. E eu espero te encontrar.

 

Eu espero te encontrar pra te mostrar que as pessoas não sabem de nada. Que o mundo não existe. Que o tempo não erra jamais. E que a gente pode sim ser feliz.

 

Eu espero te encontrar pra te ensinar que o verdadeiro amor não prende, não sufoca, não diminui. Que somos feitos de fragmentos… de sorrisos, de lembranças, de beijos doces e dos desvairados. E que o melhores são sempre os nossos.

Eu espero te encontrar pra te mostrar que eu vou estar aqui. Que eu vou te segurar cada vez que você cair. Que eu vou te dar o meu colo, ouvir suas confissões mais difíceis e te proteger no meu abraço. E eu vou cuidar de você. Porque é assim que o meu amor é.

As pessoas dizem que você não existe, amor. E às vezes até eu tenho dúvidas. Mas tá tudo bem, eu não vou desistir de você.

Eu vou esperar você chegar. E ser amor pra eu amar.


Ps: Por favor, exista. (E chegue!) ♥

Ps2: Assistam esse clipe maravilhoso. ⤵

 

“Meu bem, meu bem, meu bem, meu bem, meu bem
Somos a chance de um afeto exemplar
Muito antes da vaidade, existe cumplicidade
E saudade do que está pra chegar
Meu bem, meu bem, meu bem, meu bem
Deixa eu te levar pra bahia
Dançar até nascer o dia
E se até lá você não mudar de ideia eu

Eu troco minha agenda
Faço do beijo poema
Da sua boca dilema
Da sua falta presença

Meu bem, não desiste
Privilégio é viver um amor que te transborde”

 

 

 

Entradas Mais Antigas Anteriores